Comanche do Pelô se apresenta no circuito Osmar com o tema que levanta o público

8 de março de 2011 às 8:28 PM

Eliana Miranda

O Comanche do Pelô entrou na passarela do Campo Grande com 5,5 mil  pessoas vestidas de índios com motivos que lembram as ferramentas dos Orixás neste último dia de Carnaval (8). O bloco, que leva para as ruas o tema “Comanche, a Tribo na Terra dos Orixás”, carregou multidões que dançavam, cantavam e imitavam as coreografias inspiradas nas diversas histórias  dos orixás e mundo indígena.

Há mais de três décadas, os pajés, coreógrafos, dançarinos e foliões acompanham o Trio Comanches. Eles sentem orgulho de desfilar no circuito Osmar e estão sempre dispostos a percorrer seus sete quilômetros sob o comando da  banda Bambam. Ao todo, nove alas agitaram o público que dançava a diversidade da cultura e mistura de ritmos, que inclui o pop brasileiro. As alas foram distribuídas com temas dos Orixás (divindades do Candomblé, com seus 16 estandarte, e caciques da cultura indígena, alas cacique, comancheiro, afrodescendente, afro indígena, flecha divina, dança do cateretê, dança do Sol, viva a natureza e jogo do ifá).

O presidente do Comanche, Jorginho Comancheiro se orgulha do número de foliões associados que desfilam pela tribo. Ele diz que o tema deste ano para os comancheiros é motivo de orgulho, uma vez que estão divulgando a cultura em Salvador, onde a religiosidade é muito forte, e em pleno Carnaval, onde acontece a maior festa do planeta. “O bloco dos Comanches é tudo para mim”, afirma o líder.

O que faz a diferença nos Comanches é a coreografia formada por alas comandadas por pajés. Um dos coreógrafos do bloco, Jorge Gonzaga também fala do seu orgulho em desfilar no bloco. “Sinto orgulho de pertencer a esta tribo e manter a ala de cacique. Mas o importante mesmo é se divertir sem violência”, afirmou.

Deixe seu comentário